O fotógrafo Orlando Brito

© Orlando Brito

Caminhando pela história da política brasileira pode-se deparar com um apreciável portfólio, em que se encontram registrados alguns dos mais importantes cenários de ruas e bastidores palacianos. Dono de uma composição precisa, técnica exemplar e poucos maneirismos, Orlando Péricles Brito de Oliveira, mineiro, nascido em 8 de fevereiro de 1950, chegou a Brasília antes mesmo da inauguração da capital. Começou sua carreira aos 14 anos de idade como laboratorista na sucursal brasiliense do jornal carioca Última Hora.

“Em pouco tempo eu estava no cenário onde aconteciam os fatos de maior relevância da vida política do Brasil – o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional -, com uma câmera pendurada no pescoço, cara a cara com os maiores personagens da República e os atos que decidiam a vida do país”, conta o fotógrafo.

De 1968 a 1982, Brito trabalhou em O Globo. Depois transferiu-se para a Revista Veja, onde ficou por 16 anos, no período de 1982 a 1998, produziu 113 capas como fotojornalista e, em São Paulo atuou como editor de fotografia da revista. Trabalhou ainda no Jornal do Brasil, no Rio, como editor de fotografia em 1988 e 1989. Atualmente mantém, em Brasília, a agência de notícias ObritoNews, responsável pelas fotos da campanha eleitoral do segundo mandado do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso.

Brito é autor dos livros: Perfil do Poder (1982); Senhoras e Senhores (1992); Poder, glória e solidão (2002); Iluminada Capital (2003); e Corpo e Alma (2006). Atualmente está produzindo a sequencia de Poder, glória e solidão, intitulado Poder, vitórias e derrotas, além de Raízes do Brasil. Tem fotos no Museu de Artes de São Paulo (MASP), Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio e de São Paulo e em outras galerias de arte brasileiras. Fez várias exposições individuais e participou de mais de quarenta exibições coletivas no Brasil e no exterior: Londres, Nova Iorque, Paris, Tóquio, Madri, Lisboa, Basiléia, Buenos Aires, México e outras cidades.

Em 1979, ganhou o prêmio World Press Photo do Museu Van Gogh, de Amsterdã. Recebeu onze vezes o Prêmio Abril de Fotografia, conquistou os Prêmios de Aquisição da Primeira Bienal de Fotografia do Museu de Artes de São Paulo e da Bienal Internacional de Fotografia de Curitiba, além da Bolsa de Fotografia da Fundação Vitae, em 1991.

2 comentários:

Alan disse...

Figura!!!!

Carina Felice disse...

genial blog, Orlando, te seguire, no quiero perderme nada
Un abrazo fortisimo desde Buenos Aires :)