"[...] aquelas simpáticas cores brilhantes você dá-nos [...]"¹

© Afegã Sharbat Gula, 1984 - Fotografia de Steve McCurry captada com diapositivos Kodachrome

Já se passaram dois meses do fim da produção do Kodachrome. Foram 74 longos anos deste filme que eternizou imagens memoráveis no século XX. Entre elas, muitas capas da National Geographic.

Foi o Kodachrome que popularizou as fotos coloridas, com precisão e sutileza na variação de cores. Não se pode dizer que foi uma surpresa, já que a fotografia digital se popularizou tanto nos últimos anos, adquirindo precisão nas imagens, qualidade de reprodução, agilidade e economia no processo de revelação.

Enquanto as câmeras digitais e celulares permitem selecionar a imagem antes de revelar e fazê-la em poucos minutos, um rolo de Kodachrome tinha que ser enviado aos Estados Unidos e aguardar 14 dias para ver o resultado.

Cada vêz mais, a experiência de fotografar é diferente. Está migrando do artesanal de colocar o filme na máquina para o automático de nem ter máquina. Saca-se o celular de 8MP do bolso e faz a foto.

O que você acha desta nova maneira de fotografar? As inovações dos equipamentos contribuiram para o aperfeiçoamento do modo de se fazer fotografia? Deixem seus comentários.

Para celebrar o fim da produção dos rolos Kodachrome a Kodak criou uma galeria com um conjunto das melhores fotos tiradas com este tipo de rolo. Acesse aqui!

¹Trecho da música "Kodachrome", de Paul Simon.

4 comentários:

Jaquelyne A. Costa disse...

Essa foto ´´e linda!
E eu ja vi uma foto mais recente dessa menina hoje mulher...

Flavio Ciro disse...

O filme Kodachrome veio ao mercado numa epoca em que a disputa das grandes produtoras de material fotografico estava bem quente. A Fuji e Agfa cresciam e esta foi uma resposta firme a concorrencia. Este filme tinha uma qualidade incrivel, mas ja nasceu para não ser popular, pois ao contrario de todos os outros so podia ser revelado com quimicos da Kodak e por ela mesma. O preço era maior, ma non troppo. A qualidade entao era a grande vantagem que ate o seu fim jamais foi alcançada por qualquer outro produto do tipo. Ter o melhor significava usar este filme da Kodak. Usei somente duas vezes e foi chato esperar o resultado, mas muito gratificante receber o material de volta. revelado e em cores por mim nunca vista.

Quanto a fotografia digital, creio que temos os programas que ajustam as cores e ajudam muito, mas a qualidade ainda se consegue como antigamente. Lentes de qualidade e medição de luz competente. Assim, da pra dizer que a boa fotografia, profissional e de arte, ainda se faz com luz e nada vai mudar este principio. A destreza com que captamos imagens e com o controle da luz, ainda é elemento mais basico da Fotografia.
Existe um termo bem chulo nas artes graficas e que se tornou muito usado na era digital. Bom, não vou falar aqui, mas ele diz muito quando o core é a qualidade de imagem.

Márcio Neves disse...

As barreiras do digital se quebraram definitivamnete, após a declaração do Sebastião Salgado.
Veja trecho e link da entrevista:
http://blog.alemdoolhar.com/2009/08/sebastiao-salgado-afirmar-que.html

Bom fotografo faz belas fotos em qualquer suporte!

Abç.

flavio ciro disse...

Concordo com vc e com Salgado. Luz sim, ainda é o core. Trabalhe bem ela e o suporte, como vc falou, vai trazer o resultado que vc quer.